Quem sofre mais com as varizes: HOMENS OU MULHERES?

Uma dúvida muito comum é sobre as varizes serem mais comuns em homens ou mulheres.

Pois bem, na verdade, é preciso entender que existem diferenças básicas entre os dois organismos, que acabam influindo na incidência, em maior ou menor grau da enfermidade em ambos os sexos.

As varizes são veias dilatadas e insuficientes e, embora qualquer veia possa ficar varicosa, geralmente, ela é mais comum surgir nos membros inferiores, ou seja, causando mais pressão nas pernas ou pés, dependendo do tempo que ficamos em pé ou sentados.

E mais, de acordo com a OMS (Organização Mundial da Saúde), no Brasil, cerca de 35% da população sofre com as varizes, nessa conta, se estima que uma em cada cinco mulheres e um em cada 15 homens seja portador do problema.

Como as varizes se formam

Através das artérias, o sangue desce do coração até os membros inferiores, mas para voltar até o coração, o esforço já é bem maior, tarefa essa, de retorno venoso, que é feita pelas veias, através das válvulas que direcionam o sangue para cima.

Então, o problema é que com o passar do tempo, algumas pessoas, começam a apresentar um certo problema no funcionamento dessas válvulas, provocando as varizes.

Geralmente, as varizes costumam aparecer em homens com idades entre 30 e 40 anos, principalmente, por fatores genéticos, embora a obesidade, fumo e sedentarismo podem ajudar a desencadear o problema.

Tal como acontece com as mulheres, homens com varizes costumam apresentar sintomas como inchaço, dores e desconfortos.

Como podemos ver, é um problema que acomete tanto mulheres como homens, a boa notícia é que o creme Varizero funciona em ambos também, é um ótimo tratamento para varizes.

As mulheres, além de serem mais acometidas pelas varizes, também possuem mais fatores de risco para o problema, são eles:

  • Alterações hormonais:as flutuações hormonais, sem dúvida, podem influenciar o organismo, o que é um grande determinante para as mulheres serem as mais acometidas pelo problema. A própria reposição hormonal, comum na menopausa, aumenta as chances predisposição feminina a desenvolver o problema.
  • Pílulas anticoncepcionais:embora sejam apontadas como uma das maiores causas de varizes nas mulheres, na verdade, hoje em dia, elas possuem dosagens menores de hormônios.
  • Gravidez::tanto pela pressão do útero em crescimento sobre as veias pélvicas e a veia cava inferior , como pelo aumento de peso, as varizes são muito comuns durante uma gestação.
  • Intestino preso:predisposição à constipação intestinal, devido ao ciclo menstrual, também pelo uso de anticoncepcionais e pela maior retenção de líquido, acabam fazendo com que a mulher faça mais força ao ir no banheiro, forçando demais as veias.

Tratamento das varizes

O tratamento para varizes não difere em relação ao sexo, sendo o mesmo para homens e mulheres.

O procedimento mais comum ainda é o cirúrgico, com a remoção das veias comprometidas.

Enfim, embora as mulheres, realmente, sejam as mais acometidas pelo problema, isso não significa que os homens não possam desenvolver varizes, muitos até em alto grau de comprometimento.

Por isso, homens também devem tomar todos os cuidados, sendo indicado, para ambos os sexos, praticar exercícios regularmente, como caminhadas, visando estimular a circulação do sangue.

Importância de estilos de vida saudáveis

É extremamente importante que as crianças dessa idade continuem (ou iniciem) a levar um estilo de vida saudável, incluindo refeições nutritivas, além de praticar bastante exercício e dormir adequadamente todos os dias. Esses hábitos positivos de saúde ajudarão as crianças a se fortalecerem, a manterem-se saudáveis ​​e a diminuir a probabilidade de ficarem obesas.

As taxas de obesidade infantil aumentaram dramaticamente nos últimos anos. De acordo com os Centros de Controle de Doenças, em 2004, 18,8% das crianças em idade escolar eram obesas (!), Contra 4% das crianças 30 anos antes em 1974. A taxa de obesidade infantil disparada é preocupante porque aumenta muito o risco das crianças de permanecerem. obesos na idade adulta, o que aumenta o risco de doenças cardíacas, derrame, câncer, diabetes e morte prematura quando adultos. Crianças obesas também podem desenvolver problemas de saúde associados durante o estágio intermediário da infância, como pressão alta, níveis elevados de colesterol e problemas respiratórios. A obesidade também pode preparar o terreno para problemas com auto-estima, depressão, ansiedade e ostracismo social e / ou ser vítima de agressores.

Dieta saudável e exercício adequado

vida saudavelSão importantes na prevenção do diabetes tipo II na infância e da obesidade. Diabetes é uma doença metabólica na qual o corpo não pode metabolizar adequadamente (decompor) os açúcares dos alimentos. Como o corpo não pode metabolizar açúcares, os açúcares se acumulam na corrente sanguínea e acabam estressando os rins, o coração, o sistema circulatório e os olhos das crianças. A insulina, criada no pâncreas, é a substância química que decompõe o açúcar no sangue. No diabetes tipo II, o corpo não produz insulina suficiente para lidar com todos os açúcares que entram no corpo. Esse diagnóstico médico costumava ser chamado de “diabetes de adulto” porque o distúrbio afetava principalmente adultos com maus hábitos alimentares e de atividade. Hoje, no entanto, essa doença agora é diagnosticada em crianças americanas muito mais do que em adultos. Agora é chamado de “diabetes tipo II”, para refletir essa mudança na prevalência.

Em contraste com os muitos jovens americanos que comem demais e não se exercitam o suficiente, outras crianças ficam obcecadas em controlar demais a ingestão de alimentos e em exercitar-se demais. Com a constante enxurrada de corpos perfeitos e fotográficos na mídia hoje em dia, muitas crianças estão sentindo pressão, cada vez mais jovem, em imitar essas imagens. Crianças de até 6 anos relatam que estão tentando perder peso fazendo dieta. A ênfase excessiva na magreza extrema pode colocar as crianças em risco de baixa auto-estima , padrões de exercícios prejudiciais e distúrbios alimentares, como anorexia e bulimia .

As crianças que adotam hábitos alimentares saudáveis ​​e exercícios durante a meia-idade terão muito mais facilidade em manter um estilo de vida saudável durante a adolescência e a idade adulta do que as pessoas que tentam mudar mais tarde na vida. Ensinar as crianças a comer habitualmente tamanhos moderados de porções e a escolher alimentos saudáveis ​​em vez de junk food torna-se cada vez mais importante à medida que as crianças passam mais tempo fora de casa e ganham mais independência sobre suas escolhas alimentares e de atividade. Embora os pais tenham menos controle sobre os hábitos alimentares de seus filhos durante a primeira infância do que quando eram mais jovens, continua sendo vital que os pais continuem a reforçar os hábitos saudáveis ​​das crianças sempre que possível. Para obter mais informações sobre como transformar sua vida para melhor consulto o programa 100d que vai te ajudar a mudar sua vida e elevá-la para um novo patamar.